Quinta-feira
30 de Junho de 2022 - 
ADVOCACIA CRIMINAL, CÍVEL E FAMÍLIA - ITAIM BIBI

cadastro e - mails

Esse é o meio de se sintonizar conosco. Cadastre seu e - mail para receber nossos boletins periodicos.

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,22 5,22
EURO 5,50 5,50

Atualidades Jurídicas

Presidente do STJ destaca segurança jurídica como base para alavancar desenvolvimento econômico

​O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, participou, nesta quinta-feira (23), do seminário Segurança Jurídica e Desenvolvimento Econômico, evento realizado pelo Instituto de Estudos Jurídicos Aplicados (Ieja) em Foz do Iguaçu (PR).O ministro defendeu a segurança jurídica como um dos fundamentos para a retomada do crescimento em um cenário de superação da pandemia."A segurança jurídica é a estabilidade, a permanência das decisões. É isso que faz diariamente o STJ. Quando o tribunal dá essa segurança ao jurisdicionado, ele não pode estar a cada momento mudando de opinião. Isso é o que provoca instabilidade", afirmou.​​​​​​​​​Presidente do STJ disse que tribunais devem manter a jurisprudência estável para garantir segurança jurídica.Martins ressaltou que o princípio da segurança jurídica enquanto valor do próprio Estado de Direito deve orientar a atuação de todos os poderes, incluindo o Judiciário. No campo das atividades econômicas da sociedade – destacou - será a atuação objetiva do Judiciário, proporcionando segurança jurídica, que fomentará a recuperação econômica."Não há crescimento econômico nem desenvolvimento social sem estabilidade, respeito ao Direito e à Constituição", destacou o presidente do STJ.Ao falar sobre o ambiente nacional de negócios, o ministro lembrou que investidores estão atentos às condições de empreender e investir em cada país, em especial o conhecimento de regimes jurídicos ligados à inadimplência e ao respeito a contratos.Repercussão geral e repetitivosAo dar exemplos do papel do Judiciário nessa temática, o presidente do STJ citou mecanismos de uniformização e previsibilidade da Justiça, como o sistema de repercussão geral do Supremo Tribunal Federal (STF) e o de recursos repetitivos do STJ.Humberto Martins lembrou que, na mesma linha de atuação, tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição da relevância - a PEC da Relevância -, formulada para se incluir um filtro de admissibilidade aos recursos especiais dirigidos ao STJ a fim de restringir a atuação do tribunal no campo da formulação de teses sobre a legislação federal."Com a PEC, o STJ poderá ser um tribunal de interpretação de teses sobre a legislação federal, e não um tribunal de revisão ou apelação", resumiu Martins.O seminário contou com a participação do diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, o almirante Anatalício Risden Junior, de representantes do Executivo Federal e de professores especialistas no tema.Anatalício Risden destacou feitos da binacional nos últimos anos e lembrou que, além da geração de energia, Itaipu é responsável pelo desenvolvimento da região. Segundo o diretor-geral, para a binacional desempenhar esse papel, é fundamental a existência de um cenário de segurança jurídica.
23/06/2022 (00:00)
Visitas no site:  12101518
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.